fbpx

Radiografia a um Furacão .

Dez 20, 2020 | Clima, Notícias

Com a tecnologia que dispomos hoje em dia conseguimos tirar “radiografias” aos ciclones para entender melhor a sua estrutura interna e assim perceber como irão evoluir.

Esta radiografia ao “esqueleto” dos ciclones é obtida através de radiação microondas, por satélite.

A radiação microondas é um tipo de radiação que reage muito à presença de água na atmosfera, e detecta as regiões com maior concentração de vapor de água, e assim, de energia, dentro dos ciclones.

As áreas com maior concentração de água correspondem ás grandes espirais de trovoadas fortíssimas que alimentam o furacão, algumas destas trovoadas atingem altitudes superiores a 20km, com topos a temperaturas de 80 ou 90 graus negativos.

Os Furacões formam-se quando trovoadas se formam persistentemente sobre uma região do oceano, e se organizam em torno de um vortice central, que depois vai aumentando de tamanho.

No centro deste vórtice as correntes de convecção geram depois uma área central, o olho, onde o ar é forçado a descer e a aquecer, neste processo o ar suga ainda mais vapor de água do oceano, e retro-alimenta todo o processo.

“Um ciclone saudável apresenta um anel central de vigorosas trovoadas, a partir do qual se estendem braços em espiral em todos os quadrantes. A clássica imagem de um furacão.”

Para isto ocorrer é preciso que em torno do furacão as condições de vento sejam, ironicamente, fracas e haja muita humidade e calor. Só assim é que se consegue iniciar este “motor”.

Se o vento em torno do ciclone for intenso, as trovadas nunca se conseguem agrupar em torno do vórtice central e o ciclone colapsa, o mesmo se passa de não houver humidade na atmosfera que incentive a formação de nuvens.

Após a formação de um ciclone, este acaba por gerar as suas próprias condições internas, e só se houver uma alteração mais significativa nas condições atmosféricas gerais é que o ciclone poderá morrer.

Um ciclone saudável apresenta um anel central de vigorosas trovoadas, a partir do qual se estendem braços em espiral em todos os quadrantes. A clássica imagem de um furacão.

Quando o ciclone interage com ar seco, que dificulta o crescimento das nuvens, ou quando o ciclone interage com áreas de vento forte na atmosfera, que empurrem os anéis de trovoadas, começa-se a observar uma distorção deste padrão em espiral e um enfraquecimento do ciclone, que até pode apresentar buracos e ás vezes até uma porção do ciclone “morre”.

As “radiografias” que hoje conseguimos tirar aos ciclones oferecem-nos a capacidade de diagnosticar os processos e são importantíssimas para entendermos como é que os ciclones irão evoluir à medida que se deslocam.

Veja aqui outras previsões, análises e/ou notícias.

Radiografia a uma tempestade.
Radiografia a um ciclone.
Radiografia a um furacão.
Radiografia ao furacão Lorenzo.
Radiografia à atmosfera.

Veja

Contacte-nos

Ajude-nos a manter este conteúdo gratuíto

Agradecemos, dessa forma, todos os donativos que nos chegarem.
1€ quem puder, faz toda a diferença!

Veja aqui também…

Condições de surf extraordinárias

Dia 28 de Janeiro a ondulação ( swell ) gerada por uma baixa pressão no Atlântico irá conjugar-se com condições de vento favoráveis em alguns spots.-Previsão geralA ondulação ( swell ) gerada pela passagem de baixas pressões no...

read more

Previsão do tempo para a semana

"Semana 25 - 30 JAN - Chuva e vento nos Açores, novo temporal Atlântico no Continente e tempo estável na Madeira. "— Continente A previsão para esta semana aponta para a influencia de um fluxo oceânico, e chega ade uma nova tempestade...

read more

Tudo interligado

Tudo no planeta está interligado, a teia de interacções nos sistemas naturais e humanos mantém o planeta como o conhecemos.Atmosfera é fluída e está sempre tudo interligado. Incêndios massivos, que todos os anos surgem nos EUA, Sibéria...

read more